A constituição do Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol reporta-se a 23 de Fevereiro de 1972, em pleno regime fascista. A primeira comissão directiva era composta por Artur Jorge, Eusébio, António Simões, Fernando Peres, Rolando, Manuel Pedro Gomes e João Barnabé, entre outros.

No primeiro comunicado, exigia-se "justas condições (actuais e futuras) a todos os praticantes, quer através das claúsulas dos vários contratos, quer através da programação de previdência e assistência obrigatórias relativamente ao profissional que venha a necessitar das mesmas". De forma veemente, sublinhava-se que "não se poderá manter um regime, como por exemplo o relativo à Lei da Opção, em atropelo das leis de trabalho vigentes entre nós, e que não tem em consideração os mais elementares direitos humanos".

 

Na altura, eram considerados profissionais todos os que auferissem um salário superior a dois mil escudos. O valor das quotas situava-se entre os 35 e os 50 escudos mensais.

Jorge Sampaio, presidente da República, foi constituído como advogado do Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol, em 1968, a convite de António Simões, com a missão de elaborar os estatutos do organismo representativo da classe e de discutir a formalização do sindicato com o Governo de então, liderado por Marcelo Caetano.

Conotado com a oposição ao regime marcelista, Jorge Sampaio cedeu o lugar ao também causídico Jorge Santos logo após a autorização do Governo para a constituição do Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol.

Com as transformações na sociedade depois da Revolução dos Cravos, a estrutura sindical foi adquirindo afirmação, mas foi a partir do "Caso Saltillo" que o Sindicato ganhou uma outra pujança, acompanhando a viragem no futebol português.

Até aos dias de hoje, o Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol nunca parou de evoluir, implantando-se uma estrutura profissionalizada a partir do consulado de José Couceiro. A estrutura sindical ganhou peso institucional, assumindo-se como interlocutor junto das entidades desportivas, do Estado e dos restantes agentes do futebol português.

Actualmente, Joaquim Evangelista desempenha o cargo de presidente da Direcção, sucedendo a António Carraça, José Couceiro, José Eduardo, Vasco Gervásio, Agostinho Oliveira e Artur Jorge.