SJPF subscreve, via FIFPro, Código de Conduta


“Proteger o nosso Jogo” foi assinado pelos presidentes da FIFPro Divisão Europa, da UEFA, da ECA e da EPFL.

“O SJPF está atento ao fenómeno da manipulação de resultados, e outros, que põem em causa a integridade das competições e está totalmente comprometido em lutar contra este flagelo. Ao subscrever este Código de Conduta, os jogadores e os restantes agentes do futebol prometem distanciar-se do match-fixing e de outras más práticas e comprometem-se a dar o seu melhor para proteger o futebol. No que lhe diz respeito, o SJPF está a concluir um projecto de âmbito nacional anti-match-fixing que será apresentado publicamente no próximo mês de Outubro”, afirma Joaquim Evangelista, presidente do Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol (SJPF) em reacção à decisão do Comité Executivo da UEFA de aprovar esta quinta-feira (18 de Setembro) o Código de Conduta “Proteger o nosso Jogo”.

O Código de Conduta foi assinado pelos presidentes da FIFPro Divisão Europa (Bobby Barnes), da UEFA (Michel Platini), da ECA (Karl-Heinz Rummenigge) e da EPFL (Frédéric Thiriez) e pretende promover os mais elevados padrões de organização, disputa e arbitragem de jogos. Ou seja, traça princípios orientadores para todos os jogadores, árbitros, clubes e outros dirigentes em assuntos relacionados com a integridade do futebol. O documento servirá igualmente como uma referência para códigos de conduta a nível nacional, ilustrando o resultado positivo do qual a forte cooperação conjunta entre intervenientes pode originar.

Os subscritores do Código de Conduta não esconderam a sua satisfação após a assinatura do mesmo. “Os jogadores têm um papel crucial a desempenhar no combate à manipulação de jogos, e apelamos-lhes para aderirem, de forma inequívoca, ao Código de Conduta. Mas não nos devemos esquecer que em muitos casos os jogadores são vítimas destes crimes, e não os instigadores”, afirmou Bobby Barnes, presidente da FIFPro Divisão Europa.

Também Michel Platini, presidente da UEFA, realçou o trabalho desenvolvido pelos intervenientes no processo. “Estamos satisfeitos por um Código de Conduta sobre assuntos de integridade poder ser adoptado, graças à excelente cooperação com os principais intervenientes da família do futebol - a ECA, a EPFL e a FIFPro”.

Já Karl-Heinz Rummenigge, presidente da Associação Europeia de Clubes (ECA) referiu que “juntamente com as autoridades públicas e os vários integrantes da família do futebol, vamos erradicar este flagelo do nosso jogo”.

Por sua vez, Frédéric Thiriez, presidente das Ligas Europeias de Futebol Profissional (EPFL) defendeu que “os princípios estabelecidos por este Código de Conduta conjunto vão ajudar ainda mais as Ligas e os clubes a aumentarem a consciencialização a nível nacional”.

Recorde-se que na semana passada, na Convenção Soccerex que decorreu em Manchester, especialistas revelaram que 60 a 80 países denunciaram casos de match-fixing nos últimos três anos. Estes números mostram bem o perigo que este terrível fenómeno representa.