FIFPro preocupada com calor


Condições no Campeonato do Mundo não agradam.

A União Mundial de Sindicatos de Jogadores (FIFPro) está consternada com a pouca proteção que a FIFA está a garantir aos jogadores no Campeonato do Mundo. “As queixas dos futebolistas têm caído em saco roto”, garante a FIFPro, em comunicado no seu site oficial.

Duas das maiores preocupações da organização recaíam sobre os jogos entre Portugal e EUA e entre Alemanha e Gana, disputados em Manaus e Fortaleza, debaixo de condições extremamente quentes e húmidas. A preocupação mantém-se para todos os jogos realizados no norte do país, dado o clima tropical. “O calor e a humidade no norte do Brasil está a demonstrar ser um grande desafio para os futebolistas, que confessam estar a sofrer com as condições climáticas”, refere a FIFPro.

O diretor do departamento médico da FIFPro confirma a validade destas preocupações: “as recomendações científicas aconselham que não se pratiquem desportos acima dos 28 graus Celsius [as temperaturas no Brasil, nesta fase, ultrapassam habitualmente os 30 graus]. A introdução de uma pausa de três ou quatro minutos aos 30 e aos 75 minutos da partida não aparenta ser a melhor solução para a rehidratação dos atletas. Um processo ideal de hidratação daria uma pausa a cada 15 minutos do encontro”.