“Proteger os jogadores é o mais importante”


Presidente do SJPF congratula-se com a intenção da FIFA de transferir o Mundial de 2022, no Qatar, para o inverno.

Joaquim Evangelista, presidente do SJPF, mostrou-se satisfeito com as palavras de Jérôme Valcke, secretário-geral da FIFA, que afirmou que o Campeonato do Mundo de 2022, no Qatar, não será jogado no verão.

“O SJPF congratula-se com a decisão da FIFA porque a proteção dos jogadores é o mais importante. Apesar da FIFA ter decidido atribuir o Mundial de 2022 ao Qatar, as condições climáticas sempre foram um constrangimento e, embora, a decisão da FIFA possa causar desconforto às competições nacionais, a verdade é que a saúde dos atletas é o mais importante e fica acautelada. Fico satisfeito”, afirmou Joaquim Evangelista.

Em entrevista à rádio France Info, Jérôme Valcke adiantou que o Mundial não será realizado entre junho e julho. “Penso que será disputado entre 15 de novembro e 15 de janeiro, no máximo. Se jogarmos nesse período, em que as condições climáticas são melhores, teremos temperaturas semelhantes a uma primavera quente na Europa, com cerca de 25 graus célsius, e isso será perfeito para jogar futebol”, explicou.

Também a FIFPro se mostrou agradada com as declarações do dirigente da FIFA. “O senso comum parece prevalecer no que toca a proteger a saúde e a segurança dos jogadores. Os meses de inverno aparentam ser a única solução para o Qatar, ao invés de se realizar a competição num país diferente. A FIFPro está a ser consultada, em conjunto com os principais parceiros, para ajudar a identificar as datas mais apropriadas para o Mundial de 2022, num processo em desenvolvimento que alterará significativamente o calendário futebolístico internacional”, adiantou no seu site a entidade que reúne os sindicatos de jogadores profissionais de todo o mundo.