“Estou muito orgulhoso por atingir esta marca”


O avançado do Portimonense analisa o trabalho levado a cabo pela sua equipa, que se sagrou campeã da Segunda Liga. O jogador de 36 anos arrecadou o título de melhor marcador da competição.

Em entrevista ao site do Sindicato, Pires fala sobre a sua carreira, a conquista do título de campeão da Segunda Liga pelo Portimonense e as perspetivas para o futuro.

O Portimonense é, pela primeira vez, campeão da 2.ª Liga. Este é um título que desejavam conquistar há muito tempo?
Sim, já andávamos para o conquistar há muito tempo. É fruto de muito trabalho e de pessoas que deram tudo por este clube. Toda a gente procurava este título e acho que nos assenta muito bem. Depois daquilo que aconteceu o ano passado, que foi uma desilusão, este ano correu tudo pelo melhor.

Qual foi o segredo para a conquista deste título?
O segredo foi estarmos todos unidos, termos um treinador muito experiente na Liga que gosta muito de ganhar. Aliado a isso a qualidade do plantel, que foi decisiva para sermos campeões.

Como é que os adeptos do Portimonense estão a viver este momento que o clube atravessa? Costuma ser abordado na rua?
Sim. Acho que cada vez há mais portimonenses e isso é o que queremos. As pessoas estão a aderir muito bem e, sendo campeões da Segunda Liga, traz muita gente de volta ao estádio. É isso que queremos. Isso e tornar o clube ainda maior.

O Pires foi o melhor marcador desta edição da Segunda Liga e é o maior goleador de sempre do campeonato secundário. Desde que joga futebol, alguma vez tinha imaginado ostentar estes dois títulos individuais?
O mais importante é ajudar o coletivo, depois vêm os títulos individuais. Através do coletivo conseguimos ter bons desempenhos individuais e isso também vem com muito trabalho. É a segunda vez que sou o melhor marcador da Segunda Liga e estou muito orgulhoso por atingir esta marca. Fazer golos não é fácil e o trabalho está à vista.

Há algum valor ou conselho que tente transmitir aos jogadores mais novos e recém-chegados ao clube?
O que tento transmitir é que no futebol temos de trabalhar muito para atingir os objetivos e àquilo que nos propomos não chega só a qualidade. Também temos de trabalhar todos os dias para atingir esses objetivos. Agora, os mais novos têm oportunidades que se calhar há uns anos não tinham. É mais fácil aparecer na Primeira Liga e os clubes apostam cada vez mais nos jovens.

O Pires jogou no Benfica de Luanda em 2014. Notou uma grande diferença entre o futebol angolano e o português?
Sim, acho que é diferente em tudo. Cada um tem as suas características. Claro que o futebol está a evoluir em Angola, mas é muito diferente do futebol europeu. Acho que não tem comparação.

Foi um período de adaptação difícil?
No início foi um bocadinho, mas depois vamos começando a conviver com as pessoas lá, também haviam lá portugueses e começou a ser uma adaptação mais adequada ao futebol angolano e acho que acabou por correr bem.

Com que expetativas parte para a próxima época, em termos coletivos e individuais?
O clube tem de tentar ficar na Primeira Liga, que é onde merece estar, depois de todo o trabalho que o plantel do Portimonense teve. Acho que é prioritário no primeiro ano ficar na Primeira Liga porque para termos bases para o futuro é importante assegurar a manutenção.

Espera continuar ligado ao Portimonense ou ao futebol depois de terminar a carreira de jogador?
Sim, gostava de ficar ligado ao futebol e sobretudo a um clube que me diz muito, o Portimonense, mas para já não penso nisso. Penso em investir na minha carreira ainda. Enquanto me sentir bem, vou jogar.

O Sindicato definiu como prioridade a qualificação dos jogadores de futebol, com o objetivo de preparar o pós-carreira. Está a frequentar algum curso superior neste momento?
Não, não estou a frequentar nenhum curso, mas acho que é uma iniciativa muito boa por parte do Sindicato.

Alguma vez precisou de recorrer aos serviços do Sindicato?
Nunca precisei, mas conheço casos em que precisaram e sem dúvida que o Sindicato ajuda muito os jogadores.

Em termos gerais, que opinião tem do trabalho desenvolvido pelo SJPF?
Penso que está à vista o trabalho que o Sindicato tem feito. Falo com muitos jogadores e toda a gente me diz bem do Sindicato. Sou sindicalizado e estou muito contente por isso.

Perfil
Nome: Jorge Costa Pires
Data de nascimento: 1 de abril de 1981
Posição: Avançado
Número da camisola: 9
Clubes que representou: SC Braga (formação), FC Amares (formação), Amares, SC Braga B, Portosantense, Pontassolense, Ribeirão, Vizela, Desp. Aves, Feirense, Moreirense, Benfica de Luanda (Angola) e Portimonense.
Número de golos marcados na II Liga 2016/17: 23
Número de golos marcados em todas as edições da II Liga: 95