Passaporte biológico e as suas sanções


FIFPro contra a FIFA que prevê sanções só baseadas no passaporte biológico.

A FIFPro, sindicato internacional dos jogadores profissionais de futebol, considerou totalmente inaceitáveis eventuais sanções baseadas exclusivamente em anomalias detetadas no passaporte biológico, que vai ser introduzido pela FIFA na Taça das Confederações e no Mundial.

 

Em comunicado publicado no seu site, a FIFPro adianta que o doping é uma prática minoritária no futebol e explica que existem fortes críticas sobre a fiabilidade do passaporte biológico.

“Na introdução do passaporte biológico estipula-se que as anomalias são uma indicação de doping, e nada mais. A FIFPro, que defende um bom controlo antidoping, expressou confiança que a FIFA e Agência Mundial Antidopagem (AMA) tenham em consideração as críticas dos peritos e façam tudo para que a luta contra a dopagem seja equitativa e com respeito pelo desporto e pelos desportistas. Como partidária do jogo limpo, a FIFPro aplaude os esforços realizados pela FIFA e AMA, mas considera que é preciso respeitar condições essenciais: que o método de deteção seja proporcional e que todos os jogadores do mundo tenham os mesmos direitos e obrigações”.

 

A FIFA anunciou na semana passada que os jogadores que participem no Mundial de 2014, no Brasil, estão obrigados a ter um passaporte biológico. O sistema de perfis biológicos será introduzido durante a Taça das Confederações de 2013, também no Brasil e funcionará como um ensaio para a fase final do Mundial do ano seguinte.